Pesquisa artística: Hugo Cristo e Paola Barreto

sexta-feira, 02/06, 16h30

Demoscene: arte computacional em tempo real
Hugo Cristo (Ufes)

A demoscene é um movimento iniciado em meados dos anos 1980 na Europa, combinando computação gráfica 2D e 3D em tempo real, música e ilustração digital na elaboração de programas executáveis denominados “demos” (abreviação de demonstrations). Os demogroups, coletivos criados por jovens programadores e artistas para desenvolver os programas, têm dinâmica particular de produção, distribuição, discussão e avaliação das demos por meio de eventos temáticos e redes sociais. Nos últimos 30 anos, a demoscene desafiou os limites de processamento dos computadores pessoais, influenciando as indústrias de animação, jogos, música digital e de software. Esta apresentação oferecerá um panorama da demoscene enquanto forma de expressão artística e plataforma de experimentação para a computação.

Hugo Cristo possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade Federal do Espírito Santo (2003), mestrado em Psicologia (2007) e doutorado em Psicologia (2014) pela Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Espírito Santo (Departamento de Desenho IndustrIal). Coordena o Laboratório e Observatório de Ontologias Projetuais – LOOP, orientando pesquisas nas articulações entre Design e Psicologia. 

 

Arqueologia e Fantasmagoria: entre evidência, vidência e clarividência
Paola Barreto Leblanc (UFRJ)

Nesta investigação acerca da materialidade dos meios, o cinema, em seu sentido expandido, é tomado como forma de aparição que revela um campo psicogeofísico onde a imaginação tem força de invocação. Por meio de um trabalho cartográfico que reúne estratégias narrativas ficcionais atravessadas pelo imaginário de um cinema que falta, o Cine Fantasma se constitui como ação crítica de um modelo industrial em crise, buscando, nos escombros dos cinemas abandonados, um cinema que nunca existiu, um cinema por vir. Ao analisar o progressivo fechamento de salas de exibição tradicionais, propomos uma reflexão sobre a potência da imagem animada, produzindo uma microarqueologia de lugares em vias de desaparecimento.

Paola Barreto é artista audiovisual e pesquisadora. Por meio de uma produção prática e teórica que se desdobra entre circuitos de vídeo eletrônicos e digitais, fantasmagorias e sistemas híbridos, desenvolve sua pesquisa “Cinema vivo e mídias mortas”. Participou de exposições no circuito Sesc em diversas cidades brasileiras, além de festivais internacionais como Vorspiel/Transmediale, em Berlim, Live Performers Meeting, em Roma, e Live Cinema, no Rio de Janeiro. Formada em Cinema pela UFF e Mestre em Tecnologia e Estéticas pela Escola de Comunicação da UFRJ, é doutora em Poéticas Interdisciplinares pela Escola de Belas Artes da UFRJ. http://cargocollective.com/paoleb